Bitcoin, Exchanges Brasileiras e o Gerenciamento Medíocre do choro livre

A história das exchanges no Brasil conta com muitos nomes, André Horta da BitcoinToYou, que foi uma das primeiras exchanges que surgiu no Brasil, é um deles. André, apesar de diversas acusações infundadas, se manteve no mercado de criptomoedas junto com os demais entusiastas com a intenção de divulgar o trabalho sobre criptomoedas. Todas essas ações em conjunto tornam viva uma comunidade que buscava a evolução de uma nova criptoeconomia.


Toda essa comunidade é inerente ao sistema de complexidade econômica, o capitalismo. Porém, o que deveria ser empresas competindo entre si de forma leal e se mantendo no mercado por ser competitivo, se tornou um lobby onde as empresas voltadas a compras e vendas de criptomoedas buscam se manter no mercado através da eliminação de concorrência via regulação. Esta atitude que se opõe a própria natureza do Bitcoin, também se mostra contraditório quando entendemos que o fornecimento do serviço da compra e venda de Bitcoin não possui fronteiras.


A ausência de fronteiras e não-necessidade de manter endereço fiscal no Brasil para operacionalizar aqui, abre portas para operacionalizar as atividades da exchange nos famosos “paraísos fiscais”, onde a legalidade da atividade permite uma redução direta nos custos dado a redução de impostos e uma redução na burocracia na hora de negociar. A burocracia é uma pedra na economia remanescente de muitos países. Empresas que operam na margem acabam sendo afetadas negativamente. A criptomoeda, com sua independência de "endereço fiscal”, acaba gerando uma necessidade dos países se tornarem mais competitivos e menos burocráticos.


Então nós temos o Bitcoin com uma natureza descentralizada, onde muitos países já estão operando para se internacionalizar, porém, empresas nacionais, aqui no Brasil, por estarem muito acomodadas, optam por permanecer no mercado se baseando em regulações. Este tipo de mentalidade empresarial é muito semelhante com a época no Brasil onde setores industriais se mantinham por proteção nacional, o que acaba levando a interpretação de que as tradições da atividades empresariais no passado, foram herdadas pelos empresários de agora.


Toda esta discussão esteve presente no último programa do Debate Descentralizado do dia 24/07/2022, acesse o link e acompanhe na íntegra.