NFT, METAVERSO, WEB3 e os novos modelos de negocios no Blockchain

As NFT’s estão com tudo e explicar o que é nos faz recorrer aos problemas que a Blockchain tenta resolver: i) como, numa transação de arquivo digital você dá uma identidade única para ele e; ii) como o registro dessa transação seja imutável. Neste sentido a NFT é um ativo digital, como um representativo, que é único e imutável. Isso permite que o NFT possa se tornar um “certificado de propriedade” de um ativo físico, como imóvel, por exemplo.


Ainda que possa lastrear um ativo físico, há NFT’s que são “puramente digitais” e isso abre portas para um outro assunto em alta: o metaverso.


O metaverso, de forma resumida, é um mundo digital imersivo que traz consigo alguns conceitos e características peculiares que seria o viés econômico, identidade e troca de valor. Identidade é intimamente ligado a personalização digital, que reflete o caráter único do usuário. O viés econômico está ligado com a propriedade do arquivo digital em questão que, por meio da tokenização, acaba se tornando “monetizável”. O víes do valor está ligado a importância que os usuários dão aos bens digitais.


Estes vieses dão ao NFT’s a possibilidade de criação de novos mercados e com novas utilidades. Um exemplo, é o Fund Raise, levantamento de fundo. Algo prático e mais próximo do cotidiano, é a tokenização de ingressos por NFT. Com o NFT’s, a insegurança em comprar de cambista para shows, é a compra de ingressos falsos que, com NFT, isso acaba sendo eliminado.


Nestas evoluções e constiuições de mercados, uma ferramenta que irá impulsionar o NFT, é a WEB3.0, principalmente pela capacidade instântanea de identificar preferência dos consumidores, descentralizando a captação de informação e tornando mais responsivo um mercado já existente.


Toda essa discussão aconteceu no Debate Descentralizado, do dia 02/10/2022, no canal BitcoinBlock.